sábado, 24 de dezembro de 2016

Estudos com Aquarelas - Watercolor

De um ano pra cá, estou estudando aquarela. Não... não como se pensam por ai para tatuar... nao faço sopros para criarem aquelas manchas bregas, nao estou jogando tintas para poderem escorrer e ficar "descolados". Aquarela não é isso... aquarela é como o Sargent fazia, como Durer ou mesmo nossos
 contemporâneos Castagnet e Zbukvic os fazem.

Estou aprendendo e já coloquei na cabeça que aprender essa técnica pode levar muitos anos ou mesmo posso levar a vida toda e mesmo assim, nao conseguir entende-la por completa. É quase um jogo de técnica, paciência e até uma pitada de sorte.

Sem falar no material... peloamordedeus... muito caro para nós brasileiros com uma economia dessas.


Papel:

Aprendi nos meus cursos, aulas e workshops que papel é fundamental. No começo, como todo bom Sao Tomé, eu nao acreditava muito nao. Achava que era apenas uma "frescura" dos profissionais que nao admitiam nao conseguiam fazer em qualquer outro papel. Completamente enganado eu estava. Tentei outros papeis que estavam escritos nos blocos que era para aquarela mas... tcs tcs tcs... nao dá.
O Papel tem que ser 100% algodão... nao tem jeito. Grana Fina, Grana Grossa ou mesmo Acetinado... 300 gr.
Acetinado : Papel muito liso... geralmente para ilustração.
Grana Fina : Papel de textura média, para detalhes (nao tanto quanto o Acetinado) mas também para poder fazer umas texturas já que o papel permite.
Grana Grossa: Papel com texturas fortes, bom para criar efeitos de texturas como pedras, plantas, etc e que nao dá para colocar muitos detalhes a nao ser que seja um desenho bem grande... ai se consegue pelo tamanho do papel.


Pincéis:

Sinteticos ou pelos de Animais.
Os sintéticos eu curto para detalhes... carrega menos água e os pelos geralmente são mais firmes que os de pelos de animais.
Os de pelos de animais como os de esquilo, carrega muito mais água... ótimo para grandes preenchimentos aonde precisa de um acumulo de agua para poder fazer transições tonais e de cores.

Tintas:

Comecei usando as de linhas estudantes como as Van Gogh e Cotman. Mas depois fui usando as da linha Artist da W&N e Schmincke... que para mim, que ainda estou começando, achei elas muito boas.

Vou mostrar alguns trabalhos meus de quando eu comecei realmente a me dedicar até os trabalhos de hoje. Eu costumo guardar todos... é ótimo para ver evoluções ou mesmo tentar entender aonde estou empacado e tentar resolver.


Esse passo a passo, eu fiz umas duas semanas depois de ter começado a estudar a técnica de aquarelar. Ja faz quase dois anos. Nessa época eu nao dei importância para a aquarela e nao levei muito adiante os estudos.
Hoje eu vejo os erros e acertos desse desenho.... coisa que na época eu nao tinha informações para poder entender e ver o que funcionava. Muitos gostaram mas como já disse, sei que nao ficou como hoje eu faria.








Essa pintura do Lemmy eu fiz um dia depois da morte dele... nessa pintura, apesar de eu ter gostado muito mais e ter colocado em pratica pontos fundamentais na aquarela, hoje eu também sei aonde poderia ter melhorado. Uma das dicas mais valiosas é sem duvida a "conexão" das informações. Por exemplo: o cabelo dele ter se misturado (se conectado) ao chapéu, barba e camisa....










Essa pintura eu fiz no mesmo dia que eu fiz o Lemmy... Realmente foi uma pintura que muitas pessoas curtiram muito mas ele foge totalmente do que a aquarela pede. Está muito descritivo ou seja, não existem as conexões e tudo está muito detalhado, uma pintura sem graça... Sem as brincadeiras da aquarela. É como dizem: Nesse caso eu pintei com aquarela e nao á aquarela. Mas tudo bem...









Depois de meses sem mexer com as tintas, voltei a estudar novamente... agora tentando entender as conexões. Nesse caso peguei algumas fotos de umas lutas do UFC e voltei para a prancheta. Eu achei que nessa volta aos estudos eu tive um entendimento melhor com a técnica... gostei de como as cores foram se conectando com as cores de pele e sangue. Mas ainda estao muito descritivos... mas como eu disse, já era um resultado mais interessante e mais próximo do que eu estava procurando.










No começo deste ano de 2016, eu decidi estudar realmente aquarela. Estudar mesmo... me dedicar as manchas, entender as conexões e tudo mais. Comecei estudando as pinturas monocromáticas. Por ser monocromático, nao precisava estudar nem me preocupar com as cores.
Uma falha enorme nessa pintura ao lado é sem duvida a falta de "peso" nas pinceladas. Tudo muito igual... desde os fios até os detalhes das portas, a pincelada parece sempre a mesma.
Falha nossa....







Nessa pintura ao lado, ainda estudando os valores monocromáticos, eu consegui pesar nas pinceladas criando variações nesse ponto. Podem reparar como está bem diferente esses pesos comparada a pintura anterior. Mais interessante de se ver.
O problema aqui foi a sombra projetada no muro... um pouco dura demais... poderia ter esfumaçado as bordas desta sombra... conectando com a parede.
Mas estudos sao estudos.







Depois de mais de um mês estudando monocromáticos, nao estava ainda preparado para larga-los mas fui para um outro tipo de estudo, a simplificação das figuras. E mais uma vez, as conexões entre as informações mas sem deixar de se entender o motivo.

Nesse caso eu usei as folhas acetinadas. Achei muito difícil usar essas folhas mas depois de alguns estudos fui me acostumando com ela.
Gastei muitas folhas estudando essa ideia, e com certeza foi mais de um mês estudando essa tal de simplificação.






Esses galos também estao nesse mes... fiz muitos animais, flores, pessoas, objetos... foi um mês ralando para entender... nao entendi ainda mas gostei dos resultados no final das contas.















Essas sombras projetadas ao lado das arvores sobre o muro e a bicicleta também são estudos de conexão que eu quase consegui. A passagem das folhas para as sombras ainda estao muito duras... poderiam ser mais lentas... mais suaves. Mesmo assim foi um grande resultado para a época.
Um problema de quem vem do desenho para a aquarela, é a mania de querer descrever tudo, colocar detalhes em tudo. Aprendi que quem coloca muitos detalhes é como aquela pessoa que fala demais e se torna chato e aqueles que colocam menos detalhes, são as pessoas que falam menos e deixam os outros refletirem.








Essa é uma pintura mais recente... podem ver a diferença agora... vejam como as sombras se conectam sem tantos detalhes. A atmosfera é mais "gostosa" de se perceber. A sombra do prédio do lado esquerdo invade as pessoas, o carro e vai para o chão... levando o observador a andar pela pintura.
Claro que ainda nao estou completamente satisfeito com o resultado mas já foi um grande salto da pintura anterior para esta.





Para continuar esses estudos, eu fotografei a comunidade do Heliopolis em SP quando vi essas sombras lindas se projetando pelas casas coloridas. O estudo ainda é o mesmo, simplificação e conexão entre as informações. Nesse caso eu tentei estudar também as temperaturas das sombras e seus valores. Foi um resultado que me agradou muito mesmo sabendo aonde eu acabei "pecando"... mas foi muito mais acertos do que erros.







Esses dois retratos são os meus primeiros resultados com o tema em se tratando das conexões que a aquarela pede. O turbante nao tem uma linha nem mesmo de sombra para separar da testa assim como a bandana, também nao tem essa sombra para separar as informações. Uma coisa que eu fiz questão de fazer nos dois desenhos: nao mexer muito na boca, apenas informar um brilho ou variação tonal mas nao existem linhas... o bigode se conecta com a boca, quase vira um borrão mas mesmo assim, a boca está visivelmente colocada.  Me dediquei mesmo aos olhos e nariz... de resto deixei as informações extras "entrarem" umas nas outras.



Essa foto ao lado foi tirada durante um workshop do Douglas tatuando o Bruno.
Ainda em progresso, resolvi estudar varias pessoas no mesmo ambiente e tentar conecta-las através dos valores por conta das suas roupas escuras.
Dá pra ver a base nas duas figuras a esquerda. Ainda faltando finaliza-los.







Nessa outra pintura também em progresso, fiz o mesmo estudo, ligar uma figura a outra e tentar ao máximo simplificar e eliminar detalhes que nao fazem a menor diferença.
Essa foto foi tirada durante um workshop do Aleks Punk no Lado B Estudio tb.











Aqui eu tentei ao máximo simplificar mais ainda e conectar o possível... ainda há muitos recortes mas ja é um resultado que me agrada muito, tirando esses pequenos detalhes. A luz da luminária sobre o tatuador é o branco do papel mesmo, sem auxílios de opacos.





Essas tres pinturas é de uma serie de cinco que ja terminei.








Esses estudos, diferentes dos anteriores, eu queria mesmo conseguir um efeito de desfocado e focado. Fiz esses estudos exclusivamente para isso, como conseguir dominar a água e conseguir desfocar algo.
Acho um efeito bem interessante e todos que veem curte o resultado.
Fiz outros estudos desse mesmo estilo, todos eles tentando cria esse desfocado. Sempre que vou estudar algo, eu repito muitas e muitas vezes até conseguir os primeiros resultado.






Essa pintura eu fix hoje, dia 24.12.2016. Na real, aqui eu nao estava mais interessado somente em desfocar ou focar, apesar de ser a primeira ideia que geralmente vao ver sobre essa pintura. A minha ideia aqui foi muito mais o fato de conseguir o mesmo efeito com simplificação. Tanto é que essa pintura eu consegui terminar em mais ou menos 40 minutos. As dos homens armados foram quase duas horas cada um.
Nao estou querendo ser rapido, estou querendo fazer com que a aquarela apareça sem perder o realismo e os efeitos.

Nessa pintura usei um papel Grana Fina da Fabriano 100% algodão. Pinceis sintéticos e outros pelos de marta. Mas comecei com o de esquilo que aparece na foto. As tintas foram de bisnagas da Rembrandt e muita paciência.



Espero que gostem do post... foi algo diferente do que eu estava postando (quando postava).  E também queria compartilhar um pouco desta técnica que poucos a conhecem como realmente ela é.

Tenham todos um Feliz Natal e um Prospero Ano Novo.




Estudar desenho, pintura, tatuagem : Lado B Escola. (11)3476.1259

Tatuagens: Don Rodrigues Tattoo (11) 3051.3806

10 comentários:

Full Gore disse...

muito massa! Eu estou suando uns papéis caríssimos aqui pra pintar no acrílico, mas sou preguiçoso, até hj não consegui terminar nenhum treino...estou tentando focar agora... comecei a tatuar faz pouco tempo (1 ano)...agora estou focando no desenho específico pra tattoo...depois volto pras pinturas... mas é caro, muito caro. E infelizmente, no momento, não estou podendo arcar com os custos

No futuro quero mexer com aquarela, sempre curti muito seus trabalhos com ela, não pensei q vc tivesse pouco tempo com essa mídia.

Abraços
------
@alangoretattoo aqui

(tenho que criar outra conta)

Tom Arte disse...

Incrivel André. realmente estes estudos fazem muito sentido. As técnicas, observações, modelos de estudo, simplificação. Isso mostra como é amplo esse universo da arte. Sem falar que todas estas demais técnicas, podem somar com os demais meios artísticos. Continuo sendo um admirador do seu trabalho e seriedade aos estudos e evolução. Desde 2008 acompanho seu trabalho e o tenho como maior referencia de todos.
Um ótimo 2017.

Anônimo disse...

Fabuoso! Adoro essa técnica de pintura, suas paisagens estão cada dia melhores!! Grata por esse post! Por mais que leia muito sobre aquarela, é sempre interessante ver perspectivas sobre o assunto... Sei que não é o foco do blog, mas é tão interessante... se puder falar mais sobre sua paleta de cores para retratos, paisagens.... valeu man!

Morassi disse...

Parabéns novamente André, muito bom o post. Admiro sua dedicação e profissionalismo.

Cleberson Amancio disse...

Top seus estudos e suas tattoo!!! acompanho sua caminhada nos estudos da arte faz uns 5 anos neste blog, eu como tatuador e futuro arquiteto, aprendi muito com suas dicas, realmente vc respira a arte, como aqueles mestre Michelangelo, Da Vince, Gaudi etc... adorei suas perspectivas das paisagens, se vc postar esses trabalhos na faculdade garanto que vai formar fila pra fazer alguns TCC kkkkkkk...Nunca pensou em fazer arquitetura ou design coisa do tipo? tem talento de sobra nessa mão. Queria saber mais sobre o modelo da sua mesa Digitalizadora Wacon, vi uns post sobre esse tema, quero aperfeiçoar os decalques achei interessante e prático...
Parabéns pela sua dedicação a arte e sua iniciativa de compartilhar um pouco do seu conhecimento a todos que te acompanha, o Brasil precisa de mais pessoas assim como vc...

Um abraço!!!

Kevin Rodrigues disse...

Parabéns André, para mim me deu uma visão diferente do que é a aquarela e uma pequena injeção de motivação a estudar este estilo, valeu e continue com mais posts.

André Jama disse...

comecei a trabalhar com aquarela a pouco tempo, e esse texto foi inspirador, gosto muito do que escreve e de seus tutorias, aquele 1% todo dia que voce fala com frequencia ajuda muito os 1% de profissionais artistas que querem ser algo a mais do que simples tatuadores.

Ivan Barbosa disse...

Sua dicas como sempre me auxilia e muito, só tenho a agradecer e pedir para nao parar com o blog.

Ivan Barbosa disse...

Sua dicas como sempre me auxilia e muito, só tenho a agradecer e pedir para nao parar com o blog.

Arthur disse...

Muito legal esse post André! Muito obrigado!

Deu até vontade de pintar aquarela! Ultimamente estou me aventurando mais com o guache, queria muito ver você pintar com guache e o que você pode fazer, você já usou alguma vez!?

Abraço!